Quantidade de Páginas visitadas

Assunto : REDUZIR A IMAGEM DISTORCIDA QUE AS PESSOAS TÊM SOBRE A CULTURA INDÍGENA FOI O OBJETIVO DA SEMANA CULTURAL EM DIAMANTE DO OESTE

A Semana Cultural Indígena Guarani que ocorreu em Diamante do Oeste neste ano marca a 12ª edição do evento. A Equipe Multidisciplinar do Colégio Agrícola foi visitar a Terra Indígena Tekoha Itamarã nesta semana para conhecer um pouco da cultura mais antiga do Brasil, a indígena. Saímos do CAET por volta das 8 horas da manhã.

Sob a cantoria de alguns dos alunos e o entusiasmo dos outros, a viagem foi gostosa e cheia de harmonia entre os estudantes. Nos oito quilômetros finais, seguimos por uma estrada de chão com muitos morros, curvas subidas e descidas. Foi um teste para a potência do motor do micro-ônibus e para a coragem dos alunos e equipe.

Ter o primeiro contato com os indígenas gerou um certo impacto para quem não está acostumado com essa cultura tão rica e genuína. Observar os artesanatos, perceber o jeito da comunidade e assistir as danças que retratam parte da espiritualidade desse povo nos aproximou, mesmo que por pouco tempo, dessa cultura milenar.

Dois guaranis, muito educados, acompanharam-nos em uma trilha. Foram dois quilômetros de caminhada, parte em campo aberto e outro parte no meio do mato. Uma das intenções da Semana Cultural foi desconstruir a imagem distorcida que a maioria das pessoas tem sobre os povos indígenas. Os diretores dos colégios indígenas falaram sobre isso, enfatizando o respeito entre os povos para a redução dos conflitos agrários. “Hoje vocês estão tendo a oportunidade de conhecer essa cultura”, reforça o diretor da Colégio Araju Porã, Mauro Dietrich. “Não se pode propagar uma discurso de ódio entre o colono e o indígena”, acrescenta Jairo Bortolini, diretor do Colégio KUAA MBO´E.

O passeio foi uma ótima oportunidade para que nós pudéssemos desmistificar um pouco os conceitos que temos das tradições e costumes desses povos. Essa foi a primeira atividade agendada pela Equipe Multidisciplinar do Colégio Agrícola neste ano de 2018. No final da visita, a equipe entregou cinco caixas de roupas para a comunidade.



Por Roberto Crepaldi – Assessoria de Comunicação




Assunto : SICOOB FALA SOBRE O CONCEITO E VALORES DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM UMA PALESTRA INTERATIVA E DE FÁCIL COMPREENSÃO


O palestrante Airton Bagli, assessor da diretoria executiva do Sicoob, discursou aos alunos formandos do Colégio Agrícola sobre os princípios e valores do associativismo e cooperativismo. De uma forma interativa com os alunos, Bagli explicou os conceitos sobre associação e cooperativa, discorrendo sobre a história acerca dos temas.

Quase 100 alunos e alguns professores assistiram à palestra. A atividade ocorreu na aula da professora Maiara Guedes que leciona Administração e Extensão Rural. Aprender sobre cooperativismo é muito importante para os futuros técnicos em Agropecuária, haja vista o setor agropecuário ter uma importante participação na economia, atuando no modelo de cooperativa.

Dentre todos os ramos de atuação do cooperativismo brasileiro, o agropecuário tem papel de destaque, com 1.597 instituições e 180,1 mil produtores cooperados. Estima-se ainda, segundo dados do Censo Agropecuário do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que 48% de tudo que é produzido no campo brasileiro passa, de alguma forma, por uma cooperativa.

O sistema de cooperativa visa consolidar e fortalecer a atuação em todos os seus ramos e do associativismo rural, participando dos processos de criação de trabalho e emprego, de produção de alimentos, de geração e distribuição de renda e da melhoria da qualidade de vida das comunidades rurais e urbanas. (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

O evento ocorreu nesta quarta-feira (11), no período da tarde, no auditório do colégio.





Assunto : PROJETO SOBRE DIREITOS HUMANOS DISCUTE TOLERÂNCIA, ACESSIBILIDADE E PRECONCEITO

Os atletas de handebol em cadeiras de rodas estiveram no Colégio Agrícola de Toledo junto com a acadêmica de pedagogia da Faculdade Assis Gurgacz, Izabela Cardoso. A futura pedagoga está com um projeto sobre Direitos Humanos e está enfocando o direito das pessoas com deficiência física. De acordo com a acadêmica, trazer os cadeirantes no colégio mudará um pouco a percepção que os alunos têm das pessoas nestas condições. “Neste projeto, eu trato sobre a questão dos direitos humanos, enfocando o lado do preconceito, acessibilidade e a tolerância”, explica Izabela.

Os alunos do CAET tiveram a oportunidade de experimentar um pouco da condição de cadeirante e ver suas dificuldades. “É bom ter essa experiência. É uma noção básica de como é a realidade deles”, diz o aluno Alisson de Oliveira. Para o aluno Jair Klein, o projeto estimula uma reflexão sobre a importância da vida e do bom aproveitamento dela, independente da situação em que nos encontramos.

Os cadeirantes têm o direito ao princípio da igualdade face às condições de locomoção das pessoas com deficiência física, garantido pela Lei Federal nº 10.098/2000. Essa análise deve-se ao fato de que as nossas cidades de um modo geral não se encontram estrutural e legalmente preparadas para atender às necessidades e anseios dos cadeirantes. A chance desses atletas estarem participando do esporte é uma garantia que o município de Toledo respeita e favorece o acesso deles. “Aqui, em Toledo, a estrutura física é boa. Em alguns bairros ainda é preciso melhorar. Mas, de modo geral, está bom. Temos um bom ginásio para treinar e fácil acesso”, elogia Jean Marcos Lopes, que é atleta cadeirante.

Alguns atletas já estão há bastante tempo no handebol. O esporte é um canal de motivação para a vida. O atleta Paulo Ricardo Franco, que está há 10 anos no esporte diz que sua maior motivação é a competitividade. “Estar competindo, treinando, fazendo com que a gente saia da nossa casa e da nossa rotina. Isso é muito motivador”, revela o jogador.

A modalidade do handebol adaptado para cadeiras de rodas (HCR) foi criada na Universidade Paranaense, Campus Toledo/PR, em 2005. No treino, os jogadores aprendem a dominar a cadeira esportiva, fazer passes, conduzir e controlar a bola, fazer lançamentos e bloqueios. Mais que isso, aprendem a compreender as habilidades e dificuldades de cada jogador do time, respeitando e estimulando a participação.



Por Roberto Crepaldi Dias – Assessoria de Comunicação






Assunto : BONS RESULTADOS NOS JOGOS ESCOLARES CLASSIFICAM ATLETAS DO CAET PARA A FASE REGIONAL

A Fase Municipal dos Jogos Escolares do Paraná, 2018 - teve vários atletas classificados do Colégio Agrícola de Toledo. Os estudantes se destacaram em diversas modalidades conquistando medalhas de ouro, prata e bronze.

Esta é a 65ª edição dos jogos que têm a participação de dezenas de milhares de jovens em todos os municípios do Paraná. No Futsal, a equipe feminina do CAET ficou com a terceira colocação, e no Handebol a equipe masculina deu um show e subiu no mais alto do pódio. Os jogadores masculino e as atletas do feminino competiram no Vôlei de Areia e ambos conquistaram medalhas de bronze.

No atletismo, os alunos Davi Gustavo dos Santos e Junior Alves da Silva atingiram a 1ª colocação na corrida dos 400 metros. No salto em distância, os atletas Alisson Ruan de Oliveira ficou com a 3ª colocação com um pulo de 4,56m, seguido na 4º colocação pelo aluno Davi Gustavo dos Santos. No Tênis de mesa, O CAET ficou com o 2º lugar conquistado pela aluna Kawana Lothammer. Na categoria em duplas, a posição melhorou, dando para Kawana e Ana Julia de Souza medalhas douradas.

Na modalidade Xadrez (masculino), Guilherme Giordani levou três medalhas de ouro nos estilos “Relâmpago”, “Rápido” e “Convencional” . A enxadrista Camila Vittencourt colocou no pescoço a insígnia de prata e também está classificada para participar da Fase Regional dos Jogos Escolares deste ano.

O Colégio Agrícola de Toledo acompanhou a trajetória de conquistas dos atletas desde o período de treinamento até o momento das competições por meio dos professores Cassiano Rosseto e Mara Carvalho, professora de Educação Física. A escola parabeniza todos os seus esportistas, medalhistas ou não, pela participação e conquistas e deseja que os resultados sejam ainda melhores na próxima fase.




Assunto : COLABORAÇÃO ENTRE COLÉGIO AGRÍCOLA E EMATER PODE GERAR FRUTOS NA APRENDIZAGEM E NA PRODUÇÃO

O gerente regional da Emater, Ivan Decker Raupp e representantes do Instituto, estiveram visitando o Colégio Agrícola de Toledo nesta sexta-feira. A reunião com os profissionais visa fortalecer o vínculo com os parceiros da escola para buscar fortalecer o desenvolvimento da educação técnica para os alunos e o aprimoramento produtivo na fazenda escola.

Os engenheiros agrônomos da Emater conheceram os setores produtivos do CAET e puderam observar a estrutura física e de equipamentos que a escola dispõe na sua tarefa de ensinar e produzir.

Um dos ambientes visitados pelos agrônomos foi a agroindústria do leite. O setor tem estrutura física e equipamentos novos para a produção de derivados do leite. Porém, ainda tem alguns impedimentos para que possa entrar em operação, como a falta de treinamento de pessoal para manuseio das máquinas.

A busca por ações em cooperação com outras instituições é a visão do melhor aproveitamento da força do trabalho e das ideias para gerar mais e alavancar o ensino, a aprendizagem e a produção.

Novos encontros entre a Emater e o Colégio Agrícola já foram encaminhados. A tendência é que as afinidades entre o instituto e a escola sejam ampliadas para contato com mais profissionais, e que suas experiências contribuam para o crescimento intelectual e prático dos alunos do CAET.















Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito